E-commerce

Ecommerce para pequenos supermercados: entenda porque dá certo

Escrito por Fernando Bravo | 04/08/2020
  • 5121 visualizações
  • 460 compartilhamentos
Tempo de leitura: 5 minutos

Você é varejista e pensa que as vendas online são apenas para grandes franquias? Neste artigo vamos mostrar as razões pela quais o e-commerce para pequenos supermercados funciona.

Ecommerce-para-pequenos-supermercados

O varejo é um dos setores que têm apresentado mais mudanças com as novas tecnologias nos últimos anos, a crescente participação do ecommerce e o impacto das mídias sociais nas lojas assustam os empresários.

As razões para essas mudanças não estão apenas na evolução e maturidade das tecnologias, dos sites de e-commerce em todos os aspectos, desde a navegação ao pagamento, e da penetração de dispositivos móveis conectados a grande parte da população brasileira.

A principal razão, com a qual o varejista deve se preocupar, está na mudança do hábito de consumo. Uma nova geração, os Millennials, que já nasceram conectados no mundo digital, tem comportamento diferente em relação ao consumo. E muito em breve já corresponderão a maior parte dos consumidores.

Bom, e onde entra o seu supermercado nessa história?

Você precisa pensar na sobrevivência do seu negócio no longo prazo. E esse futuro cruza com novas tecnologias e esse novo consumidor. Por isso, vale a pena começar a pensar em como montar um e-commerce para pequenos supermercados.

Para o dono do negócio, as vendas online surgem como uma oportunidade de aumentar o faturamento da sua loja, aumentar o ticket médio, reduzir a capacidade ociosa do supermercado e, consequentemente, aumentar a produtividade da empresa.

O que muita gente não sabe, é que o pequeno supermercadista tem muitas vantagens, em relação às grandes redes, quando o assunto é e-commerce.

Afinal, por que há mais chances de sucesso no ecommerce para pequenos supermercados?

Flexibilidade

A flexibilidade do pequeno empresário é um dos grandes elementos que favorecem o sucesso do ecommerce para pequenos supermercados. Esses empresários não contam com uma rede de processos burocráticos, o que favorece a tomada de decisão e o controle da operação.

Além disso, a organização logística desses negócios é mais aberta, sendo mais fácil a realização de alterações que facilitam o sistema de vendas on-line. Ou seja, os pequenos supermercadistas têm mais chances de se adequarem ao ambiente digital, pois contam com processos mais flexíveis na operação.

Medo da própria concorrência

O medo de criar uma concorrência com as próprias lojas é algo que passa na cabeça dos donos de grandes redes de supermercados.

Por contar com um grande número de lojas, normalmente, isso é caracterizado por uma rede, o grande empresário enxerga que o lançamento de uma loja virtual causará impacto nas vendas das lojas físicas. Resumindo, o e-commerce canibaliza as vendas da loja física no caso de grandes redes de supermercados.

Porém, para o pequeno supermercadista esse medo não faz sentido. O e-commerce para pequenos supermercados faz com que a demanda de venda cresça, dado que aumenta a visibilidade da marca e faz com que suas ofertas cheguem em consumidores que não seriam alcançados apenas com a loja física.

Proximidade com o cliente

A proximidade com clientes do pequeno supermercado faz toda diferença no momento de implantar uma loja virtual.

Normalmente, o pequeno supermercadista consegue ter um contato mais próximo e direto com o consumidor da sua loja. Dessa forma, o lançamento de uma nova plataforma de venda acaba ganhando mais adesão, devido à comunicação rápida entre cliente e empresário.

Por conta dessa proximidade, o dono do negócio consegue identificar a demanda do seu público e assim criar ações para supri-las. Algumas atividades fazem com que o atendimento oferecido no sistema de ecommerce para pequenos supermercados seja ainda mais personalizado, aumentando a identificação dos clientes e as chances de sucesso desse formato de vendas.

O varejo alimentício possui algumas características singulares, e entre elas a proximidade com o cliente tem destaque.

Saiba mais no artigo: Porque o varejo de alimentos é diferente.

Existência de um serviço de delivery

É comum, pequenos supermercados contarem com um serviço de entregas de mercadorias, normalmente conhecidos como serviço de delivery. Nesse processo, os consumidores vão à loja, realizam a compra normalmente e o supermercado fica responsável pela entrega desses produtos.

O ecommerce para pequenos supermercados é uma forma de aprimoramento dessa atividade, de forma que o supermercadista já conhece algumas situações que podem acontecer. A diferença é que o cliente não precisará mais ir até à loja, todo o processo de compra será feito pela internet.

Ferramentas adequadas

O ecommerce é uma loja, só que ao invés de ser feita de tijolo e cimento, ela é feita de códigos de programação. Assim, contar com softwares adequados faz toda a diferença.

A primeira ferramenta para o ecommerce para pequenos supermercados é um sistema de gestão implementado. Para uma operação minimamente bem sucedida na internet, você precisará de informações confiáveis de estoque, cadastro de produtos e um processo eficiente de emissão de documentos fiscais. Esses processos devem ser centralizados no seu sistema de gestão ERP.

Em seguida, você precisará da sua loja virtual, a plataforma de ecommerce, que será responsável pelo processo de venda online, desde a exposição dos produtos no site, até a finalização da venda.

O software de gestão e a plataforma virtual são as duas ferramentas básicas, mas certamente você precisará de outras. Um gateway de pagamento, para realização e segurança dos pagamentos online, software de otimização das rotas de entrega e até mesmo um software para buscar imagens atualizadas dos produtos, fundamental para uma boa experiência de compra do seu cliente em sua loja virtual, são alguns exemplos.

Ecommerce para pequenos supermercados: os desafios

Apesar do ecommerce estar invadindo o território das lojas físicas, alguns segmentos, como produtos de informática, correspondem a quase metade das vendas totais de e-commerce, ou seja, metade do bolo. Esse movimento ainda não foi percebido no varejo de alimentos, a participação de vendas do ecommerce em supermercados é quase irrelevante. 

Por que? Bom, existem três grandes desafios do ecommerce no segmento:

  1. Dificuldade na escolha e entrega dos perecíveis;
  2. Logística de entrega aos clientes e disposição dos mesmos para pagar pelo frete;
  3. Alto custo de operação deste tipo de vendas.

 Por ser mais flexível e estar mais próximo da operação, nos dois primeiros desafios o pequeno supermercadista sai na frente. O desafio do custo da operação é possível contornar utilizando a capacidade instalada da loja e ociosidade da equipe interna em horários de baixo movimento.

Portanto, por incrível que pareça, o pequeno supermercadista tem mais chance de vencer no e-commerce do que uma grande rede.

Aproveite essas vantagens e foque na qualidade dos produtos entregues ao cliente.

O consumidor online não abre mão da qualidade dos produtos que compra. Por causa da proximidade com o cliente e com a operação do seu negócio em geral, o dono da empresa consegue controlar, supervisionar e garantir a qualidade dos produtos que serão entregues.

Se o objetivo do seu supermercado é aumentar as vendas, aumentar o ticket médio e conquistar novos clientes, implantar um ecommerce é uma excelente solução.

É possível implantar um ecommerce no seu supermercado? Deixe nos comentários, queremos saber sua opinião.

Tem dúvidas ou sugestões? Fale conosco pelo Fórum InfoVarejo!

 

 

Publicidade