fbpx
Gestão

O essencial bem feito e a receita para o sucesso

Escrito por Gabriel Junqueira | 04/03/2021
  • 2165 visualizações
  • 401 compartilhamentos
Tempo de leitura: 6 minutos

Apesar do boom do comércio eletrônico, as lojas físicas ainda devem representar 85% das vendas nos supermercados em 2025, o que nos leva ao pensamento básico: o essencial bem feito deve ter nosso primeiro olhar. 

o-essencial-bem-feito-e-a-receita-para-o-sucesso

O varejista é perseguido por ferramentas tecnológicas e inovações que prometem mudar o seu negócio todos os dias. É natural ficar confuso e não saber qual caminho escolher, qual tecnologia investir. 

Aqui no InfoVarejo, somos apaixonados por como a tecnologia pode ajudar o pequeno e médio varejo a alcançar o sucesso. Acreditamos nisso! 

Mas de forma paradoxal, entendemos que o essencial bem feito é o alicerce para as empresas que estão nessa jornada.

Nas feiras e eventos que participamos, nas lojas que visitamos, notamos que as empresas de sucesso e que  mais crescem, tem um zelo muito grande por questões operacionais básicas. 

Na NRF 2020, o CIO da Tractor Supply Company, empresa americana com 1814 lojas, com alto investimento em tecnologias, ao ser questionado sobre as prioridades para 2020, disse que o foco é aumentar a precisão entre o estoque físico e o virtual.

Trataremos as principais dimensões do básico bem feito, mas adiantando, tudo parte da visão de centralidade do consumidor. Isto é, olhar para o cliente, entender o que ele percebe como valor.

Equilíbrio entre preço e qualidade

Um dos primeiros pontos essenciais da sua loja é a balança entre preço e qualidade de produtos estar aderente para seu cliente.

Esse atributo, preço vs qualidade, é o principal que o cliente avalia antes de comprar na sua loja. 

Sempre reforçamos que um caminho de sucesso para supermercadistas é o investimento nas categorias de produtos perecíveis e de fabricação própria, como açougue, hortifrúti e padaria. 

São dois os motivos principais:

1- Nessas categorias é possível se diferenciar em relação à qualidade dos produtos, o que gera fidelidade dos clientes, portanto, tráfego para sua loja. 

O saco de arroz que seu cliente compra na sua loja é o mesmo que ele compra na do concorrente, o que muda é o preço. Agora, o pão de sal, a qualidade das verduras e das carnes, é onde você tem a oportunidade de se diferenciar e criar fidelização com seu cliente;

2- O e-commerce terá muito mais dificuldades para atender essas categorias. Dado que essas categorias se aproximam mais do modelo de delivery, por isso, precisam da proximidade geográfica da loja. Assim, você elimina dois problemas de uma só vez. 

Qualidade também envolve o atendimento ao cliente, faz parte da proposta de valor da loja. Em lojas gourmet, espera-se um atendimento muito superior em relação a atacarejos, por exemplo. Além da qualidade em si, é fundamental a constância, o padrão. É melhor ter um atendimento sempre bom, que atenda à expectativa do cliente, do que proporcionar ora um atendimento excelente, ora um atendimento péssimo. A frustração do cliente pode custar muito caro.

A importância de um estoque correto

O segundo aspecto mais valorizado pelos clientes, e que é um dos pontos de maior frustração, é chegar na loja e não ter o produto. É a famosa ruptura de estoque. 

Esse é um fator que facilmente acarreta perda de clientes. 

O gerenciamento de estoque é um dever de todos da loja. Ter um estoque confiável é fundamental para a automatização de uma série de outros processos da loja, principalmente a questão do departamento de compras, para poder confiar no estoque virtual e ganhar produtividade nas compras.

Não apenas a disponibilidade esperada do produto deve ser mantida, mas também a qualidade e o prazo de validade. 

É uma tarefa difícil, pois o excesso de estoque imobiliza capital e pode gerar perdas, principalmente por armazenamento e validade, e por outro lado, a falta de estoque gera ruptura, o que significa perda de venda e de clientes.

Manter o controle do seu estoque é importante para a lucratividade e eficiência de seus negócios. Assim, você atende a demanda dos clientes com a quantidade ideal no estoque, maximizando as vendas e o resultado da loja.

 

 

Não se esqueça da limpeza

De acordo com uma pesquisa realizada pela The Worldwide Cleaning Industry Association,  95% dos compradores relataram que banheiros impuros e odores desagradáveis ​​influenciam suas decisões de compras, além de pisos com manchas de sujeira, carrinhos de compras sujos e outros fatores.

A limpeza é importante, independentemente do negócio que você tenha, mas no caso do varejo, a limpeza pode fazer a diferença se um cliente faz ou não uma compra. 

As primeiras impressões são fundamentais para aumentar a probabilidade de um consumidor comprar um produto. Limpeza e manutenção também são fatores necessários para criar uma experiência de compra segura e agradável. 

Algumas lojas ignoram a experiência do cliente e negligenciam as tarefas de limpeza que, no final, podem ajudá-lo a ganhar mais dinheiro. 

Sua loja pode estar velha, com móveis desgastados, com piso quebrado, mas não pode estar suja. 

Controle dos números da sua loja

Uma parte importante de um negócio é o acompanhamento dos resultados da sua loja, para um planejamento coerente e ações na realidade, sem colocar seu negócio em risco. 

Para tomar boas decisões de negócios, é crucial ter não apenas um bom plano de negócios, mas boa execução. Os relatórios gerenciais são grandes aliados nesse processo. 

Acompanhar os indicadores chaves da loja, em tempo real, é cada vez mais básico. Os softwares de gestão, aliados à nuvem, proporcionam ferramentas flexíveis e à mão do varejista. Consultar essas informações em aplicativos mobiles ou via internet, de qualquer lugar, mesmo longe do escritório, é fundamental.

Como estão as vendas da loja? Qual é sua evolução em relação ao mês passado? Como está a rentabilidade? Quais famílias de produtos estão contribuindo positivamente na margem? Quais estão prejudicando a margem? Quais produtos estão próximos de ruptura de estoque? Essas são apenas algumas perguntas cujas respostas devem estar, literalmente, à mão do empresário.

Veja nesse artigo, os principais relatórios necessários da gestão do supermercado.

Processos simples

A gestão de processos e as operações da loja também precisam ser repensadas para que não gere atritos e foque nos resultados. Cada vez mais, o essencial bem feito, passa a ser mais importante. 

No contexto supermercadista, estamos nos referindo ao controle de estoque, gestão financeira (principalmente do fluxo de caixa), um departamento de compras organizado e com automações, e, na loja, a boa operação, proporcionando atendimento regular e limpeza. No final, resultados em tempo real para os administradores e o equilíbrio justo de qualidade e preço para os clientes. 

Uma vez definidas as ferramentas que sua empresa utilizará nessa jornada, o passo seguinte é entender como elas deverão ser utilizadas.

Na prática, processos é como trabalhamos, e na transformação digital precisamos revisá-los sob o olhar da simplicidade, eficiência, agilidade e claro, em última instância, sempre orientado ao cliente.

Precisamos sempre reforçar que a transformação, em sua natureza, traz complexidade, por isso, buscar a simplicidade e prezar pelo essencial bem feito são abordagens que mostram bons resultados.

Exemplificando, não é razoável se lançar a uma jornada digital se o supermercado não conta com um controle de estoque assertivo, como você vai atender os pedidos online com frequentes rupturas? Sem o arroz com feijão bem feito, não dá para acelerar.

 

 

Em busca do sucesso

Marcel Telles, um dos grandes responsáveis pelo progresso da AMBEV, costumava dizer: “sucesso é fazer o básico com excelência e em larga escala”.

A maioria dos varejistas pecam no básico, mas fazer o básico com consistência é realmente desafiador. São muitos processos e pessoas para estarem alinhadas para que a “mágica” aconteça diariamente na loja.

E mesmo sendo difícil e desafiador, observamos com muita frequência empresários se aventurando em novas iniciativas ou buscando inventar a roda, esquecendo que o básico da loja ainda precisa ser cuidado. 

É o e-commerce sem controle de estoque, é a implantação do CRM sem funcionários treinados para atendimento ao cliente, é a implantação de softwares sem o investimento nos usuários e nos processos, é o desenvolvimento daquela categoria de produtos que está na moda, mas com ruptura no sabão em pó…

Foca no básico e que você já estará na frente de muita gente! E com o tempo, vai aumentando “a barra” do que é básico para sua loja!

Gostou desse artigo? Compartilhe com seus contatos.

Tem dúvidas ou sugestões sobre o Troco Digital? Fale conosco pelo Fórum Infovarejo!

Publicidade