Falta de produtos nos supermercados cai no primeiro semestre

Apesar das grandes variações ao longo dos primeiros meses do ano, a ruptura, indicador que mede a falta de produtos nos supermercados, fechou o primeiro semestre do ano com tendência de queda, de acordo com dados NeoGrid/Nielsen.

O índice, que em janeiro foi de 11,68%, alcançou certa estabilidade nos meses de junho, julho e agosto, mantendo-se em cerca de 10%.

Falta de produtos nos supermercados cai no primeiro semestre

As causas da queda do indicador de falta de produtos nos supermercados: 

Robson Munhoz, vice-presidente de operações da NeoGrid, explica que a crise continua a influenciar os altos e baixos da ruptura em 2017. Segundo ele, a liberação do FGTS – que de certa forma aumentou o poder de compra da população e as vendas –, o alto índice de desemprego e a vagarosa recuperação da economia afetaram o comportamento do varejo e da indústria em relação ao abastecimento de produtos.

Para lidar com a crise é fundamental que o varejista controle as perdas de produtos que acontecem na loja. Saiba mais nesse artigo.

“Diante da crise, o varejo realizou promoções variadas, sem previsões assertivas; os embates comerciais nas negociações com fornecedores ficaram mais acirrados e demorados, o que gerou a falta de determinados produtos por períodos consideráveis; e alguns varejos aumentaram o volume de compras, na tentativa de melhorar o indicador”, detalha Munhoz.

Além disso, as empresas precisaram lidar com as escolhas do consumidor neste período. A substituição de produtos consumidos por outras marcas de menor preço, mas com a mesma proposta, que não têm um histórico de vendas significativo para serem repostos com frequência, gerou a ruptura desses produtos.

Quer saber mais sobre as rupturas e como evitar que aconteçam em sua loja? Veja esse artigo.

Possibilidade do indicador de falta de produtos nos supermercados cair ainda mais: 

Sobre a possibilidade de o indicador cair ainda mais, Munhoz alerta: “Vemos uma tendência de queda na ruptura até agora. Porém, com a tentativa das empresas de se adequarem ao momento econômico, a ruptura pode variar, por vezes, como uma montanha russa. O que torna muito difícil realizar esta previsão!”.

Texto original publicado pela Neogrid

Gostou do artigo? Deixe sua opinião nos comentários.

Ficou com alguma dúvida? Mande um e-mail para contato@infovarejo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Apoiadores do InfoVarejo

{"slides_column":"4","slides_scroll":"1","dots":"false","arrows":"true","autoplay":"true","autoplay_interval":"2000","loop":"true","rtl":"false","speed":"1000","center_mode":"false"}