fbpx
Software ERP

Saiba o que levar em conta na hora de comprar uma empresa?

Escrito por Mayk Souza | 20/04/2021
  • 164 visualizações
  • 26 compartilhamentos
Tempo de leitura: 4 minutos

Em tempos de crises, com negócios fechando e abrindo de acordo com determinações do governo, quem deseja ter seu próprio negócio tem um grande conflito pela frente: investir em algo do zero e construir uma clientela própria ou tentar a compra de uma empresa que já exista e que possa sofrer apenas poucas alterações?

Saiba o que levar em conta na hora de comprar uma empresa

No varejo existem grandes exemplos de sucesso nos dois formatos e não há nada que priorize um ou outro modelo, é mais uma questão de decisão, oportunidade e capital inicial.

Contudo, quem deseja comprar algo que já existe precisa ficar atento há várias informações, muito além do fluxo de clientes e expectativa de vendas futuras.

Será que vale a pena comprar aquele negócio ou outro? E como você sabe se o preço está justo? Muitas vezes, o valuation de empresas familiares pode ser enviesado dependendo do ponto de vista do avaliador, que pode achar isso algo positivo ou negativo. Portanto, é essencial entender esses detalhes antes de tomar a sua decisão.

Se você acha que este momento de crise é o melhor período para fazer um bom negócio e ter a sua própria empresa, veja aqui o que precisa avaliar antes de fechar qualquer operação.

Leia também:

3 tendências que chegaram para ficar no varejo

Como fidelizar clientes em um delivery de comida?

O que levar em conta na hora de comprar uma empresa?

De forma geral, tentei resumir aqui os cinco pontos principais que você precisa avaliar antes de fechar o negócio.

1. Inventário

Um dos primeiros pontos na hora de avaliar a compra de uma empresa é verificar o seu inventário. Afinal de contas, ali estão ativos e passivos significativos, que mostrarão mais ou menos o que você pode esperar daquele negócio e de outros investimentos que podem ser necessários serem feitos.

Por exemplo, suponha que você cogita comprar a principal rede de supermercados da cidade. No inventário, é diagnosticado que os equipamentos ainda são muito antigos e prejudicam a produtividade do time. Com equipamentos novos, daria para atender o fluxo atual muito mais rapidamente, com a mesma qualidade, e ainda investir em um modelo de delivery, ampliando a fonte de renda.

Essa análise mostra que há um caminho claro para o crescimento, mas também denota o nível de investimento que você terá de fazer no curto e médio prazo.

Além disso, também pode mostrar outros gastos que você terá, com manutenção e perdas gerais de um passivo. Tudo isso deve ser levado em conta.

2. Estrutura

Empresas possuem estruturas, tanto físicas, quanto organizacionais. Por causa disso, é importante ter em mente que tipo de negócio você está adquirindo, o que está em bom estado e o que precisa ser mudado.

Por exemplo, veja quanto foi investido em manutenção da estrutura nos últimos tempos, entenda o que seria necessário trocar ou não, que custos extras estão atrelados a isso e, claro, quais oportunidades se abrem nesse cenário. Às vezes, a empresa tem uma estrutura física não aproveitada que pode virar uma excelente fonte de lucro para o negócio.

3. Resultados passados

É verdade que resultados passados não garantem o futuro. No entanto, indicam muita coisa e, portanto, é essencial analisar os números com muito cuidado antes de fazer a sua compra para poder contextualizá-los. Por exemplo, você compraria uma empresa que teve prejuízo de 6 bilhões de dólares no ano? Provavelmente não. No entanto, estaria abrindo mão de comprar a Uber.

A Uber, assim como outras startups, seguem um modelo de negócios que envolve queimar muito dinheiro para obter um crescimento acelerado e alcançar um ponto alto de maturidade no mercado bem rapidamente.

Essa é uma estratégia válida quando se tem investidores-anjo por trás e se sabe o que está fazendo. Para o comprador, no entanto, é vital ver qual é a taxa de queima de dinheiro para avaliar se os resultados operacionais são ruins ou se o prejuízo é estratégico.

O mesmo vale para lucros. A empresa teve lucro de R$100 milhões no ano? Ótimo. Mas isso foi de boa gestão e resultados operacionais ou porque a empresa queimou ativos para poder pagar as contas?

4. Documentação

Olhar para os elementos físicos e corporativos de uma empresa é essencial. No entanto, é vital também olhar para a documentação do negócio, ver as suas condições internas, seus trâmites jurídicos e contábeis.

Essa análise pode salvar empreendedores de entrar em negócios que podem parecer ótimos no papel, mas que escondiam problemas significativos do ponto de vista jurídico. Até mesmo fraudes podem ser evitadas.

5. Perspectivas de crescimentos

Por fim, como em qualquer investimento, é importante pesquisar as perspectivas de crescimento que aquela empresa tem.

É essencial ter em mente que, antes de comprar uma empresa, você precisa de um caminho claro para o crescimento. Um plano específico, mensurável e definido. É óbvio que outras oportunidades vão se abrir, mas no mínimo precisará de um caminho bem definido antes de abrir sua carteira.

Pronto! Agora que você já sabe o que levar em conta na hora de comprar uma empresa e já pode fazer melhores avaliações sobre os negócios disponíveis.

Tenha muito cuidado, já que esse período de crise pode aumentar o volume de boas oportunidades, mas, na verdade, podem ser negócios com grandes prejuízos e outros problemas que vão tirar o seu sono.

Gostou do nosso post de hoje? Compartilhe sua opinião!

Se tem dúvidas ou sugestões, nos envie pelo Fórum Infovarejo!

Patrocinado: