E-commerce

Amazon, a gigante do varejo online e físico

Escrito por Gabriel Junqueira | 08/06/2020
  • 440 visualizações
  • 37 compartilhamentos

Há 25 anos, a Amazon.com entrou no ar e mudou a maneira como o mundo comprava livros. Hoje, a Amazon  vende de tudo, livros, música, roupas, utensílios domésticos e pisos. 

Amazon,-a-gigante-do-varejo-online-e-físico

 

Seu fundador, Jeff Bezos, escreveu o famoso plano de negócios da Amazon durante uma viagem com sua esposa. Após isso lançou a Amazon na garagem da sua casa, em 1994.

Hoje, Bezos é o homem mais rico do mundo, com uma fortuna pessoal de mais de US $140 bilhões. Ele, pelo menos indiretamente, mudou completamente a maneira como compramos, lemos e consumimos entretenimento.

A Amazon responde por cerca de metade de cada dólar gasto on-line nos EUA. Além disso, vende mais de 500 milhões de produtos em todo o mundo. 

Mas a Amazon é maior do que você pensa. 

A empresa é conhecida como a maior loja online dos Estados Unidos. Mas é claro que a Amazon é muito mais do que isso. Ela vende publicidade em seu site, tornando a empresa uma pequena, mas crescente rival do Facebook e do Google. 

Além disso, a Amazon é uma fabricante de hardware, com uma linha em expansão de alto-falantes inteligentes e streaming de vídeo. A Amazon Studios faz shows e filmes originais na televisão e está começando a roubar prêmios da Netflix e da HBO. 

Com a aquisição da Whole Foods Market e uma frota crescente de lojas de conveniência sem caixa, a Amazon semeou o medo entre os supermercados tradicionais. E, talvez no desenvolvimento mais surpreendente de todos, a Amazon se tornou o maior provedor mundial de serviços de computação em nuvem. 

Amazon, a gigante do varejo

A Amazon representou 44% de todas as vendas on-line nos EUA em 2017. Ela cresceu além dos livros, tornando-se a principal maneira de as pessoas comprarem praticamente qualquer coisa – especialmente para os membros do Amazon Prime. A propósito, os índices de filiação do programa aumentaram para 33% em 2015 de 25% em 2012.

Amazon Prime

Existem mais de 100 milhões de membros do Amazon Prime. Isso representa cerca de 40% da população adulta total nos EUA. A porcentagem de famílias Prime é certamente mais do que isso, pois vários adultos compartilham a mesma conta Prime do mesmo lar. 

Em sua carta anual aos acionistas, Jeff Bezos revelou que a Amazon enviou mais de 5 bilhões de itens para clientes Prime em 2017. São 1,4 milhão de pacotes por dia apenas para membros Prime. Sabe o que isso significa?

Papelão suficiente para cobrir os EUA em apenas cinco meses.

Prazo de entrega da Amazon

Os centros de atendimento da Amazon estão localizados a 30 km de 31% da população dos EUA e a 30 km de 50 a 65% de seu mercado acessível para entregas no mesmo dia. Isso quer dizer que as entregas chegam no máximo no dia seguinte ao dia da compra.

Aproximadamente 45.000 robôs percorrem o chão dos armazéns da Amazon para entregar essas remessas a tempo. Os robôs buscam o produto nas prateleiras e os entregam a funcionários humanos.

Amazon vs. Varejo Físico

A Amazon é mais valiosa do que todas as principais lojas físicas juntas. A empresa está avaliada em US$ 220,7 bilhões, sendo que no início de 2019 essa avaliação era de aproximadamente US$ 800 bilhões. As ações da gigante do comércio eletrônico e físico estão avaliadas em R$ 6.996,51.

Mas a Amazon de hoje – o varejista dominante e onipresente – é uma criação muito, muito mais nova. Nos últimos três anos, uma nova Amazon surgiu como balões de pegada física da empresa. 

De acordo com seu último relatório anual, a Amazon possui 87.782 km² de lojas físicas, escritórios e data centers. Em 2017 – o maior ano de crescimento para as propriedades da empresa -, ela agregou mais metros quadrados de construção (74,6 milhões) do que o total da empresa em 2012 (73,1 milhões), quando já era a maior varejista online do mundo. 

A Amazon adicionou mais espaço de construção de 2016 a 2018 do que em todo o resto de sua história. Se você voltar um pouco mais no tempo verá que o crescimento é ainda mais surpreendente: a Amazon tem 48 vezes a metragem quadrada de 2004.

Não é para menos que a gigante é dona de alguns títulos:

  • De longe o maior varejista de livros dos EUA;
  • Número 1 no comércio eletrônico, constituindo 45% da indústria;
  • Domina em todas as categorias de comércio eletrônico;
  • Fica atrás apenas da Netflix entre os maiores programas de associação paga;
  • Mantém uma liderança significativa sobre o setor de computação em nuvem;
  • O negócio de gadgets da Amazon se estende por tipos de dispositivos e é o terceiro maior dos EUA;
  • Maior vendedor on-line de calçados e roupas;
  • Quinto maior vendedor de mantimentos dos EUA.

Um pouco da história da Amazon:

1995: Amazon surge com a venda de livros

Para Jeff Bezos, os livros eram uma mercadoria. As cópias de um romance vendido em grandes e renomadas livrarias eram idênticas às de uma livraria independente. E ao enviar livros de distribuidores, a loja digital da empresa poderia oferecer uma seleção mais ampla do que qualquer loja física.

1999: Amazon começa a vender brinquedos, eletrônicos, utensílios domésticos e de cozinha, videogames e software

No final dos anos 90, a Amazon se expandiu para outros produtos de mídia, começando com música e filmes. Eletrônicos e brinquedos seguiram. Em meados da década de 2000, a Amazon também mantinha itens de cozinha, artigos esportivos, videogames, roupas e joias.

2000: Lançamento do Marketplace

À medida que a Amazon crescia, a empresa adotou um conceito de escola de negócios, chamado volante, vagamente definido como uma espécie de loop auto-reforçador. 

Sempre que possível, os projetos deveriam ser estruturados para reforçar outras iniciativas em andamento na empresa.

Para o núcleo da Amazon no varejo, a fórmula dizia que preços mais baixos e uma ampla seleção atrairiam compradores para a Amazon.com, levando-os a mais compras, dando à Amazon mais vantagem para negociar preços ainda mais baixos dos fabricantes. 

Isso, por sua vez, permitiria à Amazon oferecer preços ainda mais baixos e uma seleção mais ampla.

Em 2000, a Amazon lançou o Marketplace, oferecendo a outros comerciantes a opção de pagar para listar seus produtos nas prateleiras digitais da Amazon e, posteriormente, armazená-los nos próprios armazéns da empresa, uma decisão que aumentaria drasticamente a seleção da própria Amazon sem comprometer o dinheiro da empresa. 

2005: Amazon lança programa de associação Prime

Mas, à medida que a Amazon expandia meticulosamente as categorias de bens que estocava, para a maioria das pessoas, a empresa continuava sendo uma livraria.

Então, em 2005, a Amazon lançou o programa de associação Prime, oferecendo, em troca de uma taxa anual, um envio mais rápido de uma seleção de itens em seu sistema. 

Com o tempo, o programa ajudou a convencer os clientes que poderiam ter usado a Amazon não apenas para livros e filmes, mas também para procurar outras categorias de produtos. Afinal, após esse pagamento inicial, o frete era grátis.

Hoje, o Prime possui mais de 100 milhões de membros pagantes, tornando-se um dos maiores programas de afiliação paga do mundo.

2006: Amazon Web Services lança o S3, seu primeiro grande serviço de computação em nuvem

A Amazon também descobriu um aplicativo de alta tecnologia.

A empresa, no início dos anos 2000, iniciou um projeto para reorganizar o pesado departamento de tecnologia corporativa que alimentava seus sites de consumo massivos, reequipando seu software de forma que os serviços de computação individuais pudessem ser divididos em seus componentes básicos.

O armazenamento digital, o poder de processamento, os bancos de dados, outros aplicativos e infraestrutura geralmente ficavam em servidores de back-office ou em data centers. 

A partir de 2006, com o Simple Storage Service, essencialmente um disco rígido oferecido para aluguel na Internet, a Amazon começou a oferecer esses serviços a outras empresas com o pagamento pelo que usar. 

Mais clientes significavam servidores mais amplos, e essas economias de escala deram à Amazon a flexibilidade de baixar preços e criar uma série de ferramentas de computação cada vez mais poderosas.

Quando a Amazon começou a distribuir a receita do Amazon Web Services em 2015, a unidade de computação em nuvem reformulou a forma como as empresas usavam a tecnologia. Foi também a maior geradora de dinheiro da Amazon, produzindo bilhões de dólares por ano em lucros que a empresa poderia investir em novos serviços e na expansão de seu principal negócio de varejo. 

2007: Amazon lança o Kindle

A Amazon adotou a transição de bens físicos para produtos digitais em outras áreas. O e-reader Kindle, o primeiro dispositivo eletrônico de consumo da empresa foi lançado em 2007, tornou-se um mercado digital projetado para construir a base de amantes de livros da empresa.

Essa unidade começou a trabalhar no crescimento de negócios novos e existentes nos anos 2010. Uma linha de tablets foi projetada para empurrar uma loja de aplicativos da Amazon para rivalizar com a Apple e o Google, como os players de streaming Amazon Fire TV conectados aos serviços Prime de música e vídeo da Amazon e o telefone Fire, que visava compradores e fãs da Amazon. 

O maior sucesso da empresa nos últimos anos, os alto-falantes inteligentes Echo equipados com o software de voz Alexa, ofereceram aos clientes a capacidade de acessar todos os serviços da Amazon usando o comando de voz.

Os experimentos da Amazon não são uma linha ininterrupta de sucesso. O Fire falhou e foi rapidamente interrompido. Esforços repetidos para igualar o eBay em leilões online foram interrompidos, assim como várias frentes de lojas online, serviços de pagamento e um site de reservas de viagens.

Bezos praticamente treinou Wall Street para não entrar em pânico quando novos projetos não são sucessos financeiros imediatos, desde que ajudem a manter o negócio girando. 

A unidade de eletrônicos da Amazon prosperou em parte vendendo dispositivos a preços que mal cobriam seus custos de fabricação. A empresa não precisa ganhar dinheiro com a venda de um tablet, segundo esse pensamento, se clientes fiéis e felizes comprarem outros serviços da Amazon. 

Em 2018, os dispositivos da Amazon foram os terceiros maiores vendedores nos EUA, atrás apenas da Apple e da Samsung.

2009: Amazon compra a Zappos, varejista online de calçados

A paciência da Amazon também começou a dar frutos nas categorias de varejo difíceis de quebrar. Na moda, um desafio, porque os compradores geralmente preferem experimentar as roupas pessoalmente, a Amazon fez uma série de parcerias com marcas de roupas, experimentou listagens de moda on-line de um posto avançado em Nova York e construiu dezenas de marcas.

A varejista agora é o segundo maior vendedor de roupas nos EUA, atrás apenas do Walmart. A empresa aparece ainda mais on-line, respondendo por mais de um terço das vendas de roupas, calçados e acessórios dos EUA na Internet, uma participação maior que as próximas nove empresas juntas.

2017: Amazon adquire Whole Foods

Em nenhum lugar, talvez, a Amazon tenha demonstrado mais paciência do que com os mantimentos. Em 2017, a empresa havia passado uma década experimentando e com pouco para mostrar. Então comprou a Whole Foods. 

A empresa rapidamente começou a trabalhar ligando a Whole Foods ao resto de seu império, usando lojas como depósitos para entrega rápida, tornando o Prime a porta de entrada para descontos em supermercados e até vendendo alto-falantes Echo em quiosques nas lojas Whole Foods. 

A Amazon agora é o quinto maior vendedor de mantimentos dos EUA e está crescendo mais rápido do que qualquer um de seus principais rivais.

A jornada pelo varejo físico

Quatro anos atrás, a Amazon inovou o conceito da empresa ao lançar sua primeira loja física, a Amazon Books. 

Agora, o gigante do varejo on-line administra todos os tipos de lojas físicas, de livrarias a lojas de conveniência e supermercados sem caixa. 

A Amazon agora opera sete marcas de loja separadas e planeja abrir mais uma até o final desse ano. Quatro dos conceitos das lojas da Amazon são para compras. Mas a maior loja em números é a Whole Foods, com 500 lojas, comprada pela Amazon. 

Todo o trabalho aponta para o crescente interesse da Amazon no varejo físico, um mercado com enorme potencial para a empresa. 

Embora a Amazon seja o maior comerciante de comércio eletrônico dos EUA, as vendas on-line representam apenas 11% de todo o varejo, portanto, expandir para lojas físicas é uma maneira de manter seu crescimento saudável. 

Há anos escuta-se no mercado a intenção da Amazon invadir o mundo do varejo físico, abrindo milhares de lojas, mas a empresa adotou uma abordagem um pouco mais lenta, apostando em conceitos de lojas diferentes. 

Amazon Go

A Amazon Go foi a primeira loja lançada em que não é necessário fazer checkout. Os clientes simplesmente entram na loja usando o aplicativo Amazon Go, para navegar e pegar os produtos que desejam, e depois saem. 

A loja é parcialmente automatizada, com os clientes podendo comprar produtos sem usar o caixa.

A Amazon desenvolveu uma experiência de compra, que usa os mesmos tipos de tecnologias usadas em carros sem motorista: visão por computador, fusão de sensores e algoritmos de aprendizado profundo. 

Essa tecnologia detecta automaticamente quando os produtos são retirados ou retornam às prateleiras e os acompanha em um carrinho virtual. 

Então, quando você terminar de fazer compras, basta sair da loja. O pagamento é bem simples. Depois de sair da loja, a Amazon envia um recibo por e-mail, com a cobrança na sua conta Amazon.

Amazon Go Grocery

Em junho de 2020, a empresa abriu mais um novo formato de loja, chamado Amazon Go Grocery, uma loja de 2 km², com tecnologia que permite a compra de produtos e alimentos frescos sem precisar ir ao caixa.

Os bancos de câmeras e sensores no alto rastreiam tudo o que é colocado em um carrinho de compras, com a ajuda da inteligência artificial, tornando desnecessário o ritual de digitalizar e pagar no caixa. Os itens são cobrados na sua conta da Amazon logo após passar pela saída.

Além do tamanho maior, o conceito é muito semelhante às lojas de conveniência Amazon Go.

Amazon Pop Up

A Amazon Pop Up é uma experiência de compra rotativa em que os clientes encontram uma seleção temática de itens.

É tudo sobre permitir que os clientes “sintam, toquem e vejam” os produtos antes de fazer uma compra.

Por exemplo, a loja de Seattle possui uma seleção de produtos “Tudo para dormir, de A a Zzz”, onde o cliente encontra travesseiros, mantas, luminárias, despertadores, dentre outros produtos. 

Amazon Books

A Amazon Books é a loja física da Amazon destinada à venda de livros, brinquedos e jogos, mas com os benefícios de comprar online. 

Os usuários do Amazon Prime possuem descontos de até 40%, 50% nos produtos encontrados na loja. 

Amazon 4stars

O conceito dessa loja é muito simples, disponibilizar produtos cuja avaliação seja mais de 4 estrelas pelos usuários. Ou seja, são os produtos mais bem avaliados pelos compradores. 

Não é uma loja com uma categoria específica, possui seções como “Os itens mais comprados pelo site”, “Alexa, me ajude a começar o ano forte”, “Eletrodomésticos para cozinhas pequenas”, “Tendências de NY para presentes em qualquer ocasião”, são algumas delas. 

Amazon Fresh Pickup

O conceito desse modelo é bem simples. É basicamente um drive-thru de compras online. 

Ou seja, você encomenda suas compras pelo site, incluindo alimentos, e busca na loja. 

Os membros do Amazon Prime, têm o luxo adicional de poder pegar seus itens em até 15 minutos após a compra.

Algumas marcas da Amazon 

  • AmazonBasics – A Amazon possui alguns produtos de marcas próprias, sendo a AmazonBasics sua primeira marca interna. Lançada em 2009, a marca oferece artigos domésticos, material de escritório, acessórios de tecnologia, equipamentos de cozinha e banheiro. Em 2017 a marca foi a mais vendida da Amazon.com. 
  • Solimo – A marca oferece principalmente utensílios domésticos e de cozinha. 
  • Happy Belly – A marca vende itens de lanche, como nozes e granolas. 
  • Amazon Elements – Lançada em 2014, a marca possui uma linha de produtos domésticos, como lenços umedecidos e fraldas, e uma linha de vitaminas e suplementos. 
  • Wag – A Wag foi lançada em 2018 e é uma linha de alimentos para cães, vendida exclusivamente no Prime. 
  • Wickedly Prime – Marca de produtos como salgadinhos e biscoitos, são disponíveis apenas nos EUA. 
  • Mama Bear – Lançada em 2014, são produtos destinados a bebês, como comidas e detergentes específicos para roupas de bebês. 
  • 365 – Era uma marca da Whole Foods Market, consiste em itens orgânicos. 
  • Presto! – É uma linha lançada em 2017, vende detergentes, toalhas de papel e papel higiênico.
  • Mae – A marca é destinada ao vestuário feminino, com roupas de dormir, lingerie e roupas íntimas.
  • Goodthreads – Por outro lado, essa linha disponibiliza roupas destinadas ao público masculino, com peças casuais e profissionais. 
  • 206 Collective – Linha de calçados para homens e mulheres.
  • Amazon Essentials – Essa marca oferece roupas de vestuário básico para todos os gêneros e idades.

10 números que fazem a Amazon ser a gigante do varejo

  1. O faturamento da Amazon em 2019 foi de US$ 280 bilhões. 
  2. A Amazon possui 840.000 funcionários em todo o mundo. 
  3. Em 2018, 20,6 milhões de usuários visitaram o site da Amazon por mês.
  4. A Amazon é a a marca mais valiosa do mundo. Atualmente ela vale 315 bilhões de dólares.  
  5. 95 milhões de pessoas têm associações do Amazon Prime nos EUA.
  6. R$ 7012,60 é a média gasta pelos membros do Amazon Prime a cada ano. 
  7. A Amazon representa 7,7% das vendas de varejo em todo o mundo.
  8. A Amazon enviou mais de 5 bilhões de itens em todo o mundo em 2017. 
  9. A amazon pretende abrir 3.000 lojas físicas até o final de 2021. 
  10. Amazon é o 5º maior vendedor de mantimentos dos EUA. 

Desenvolvendo soluções 

A Amazon tem vários projetos com grande impacto no futuro de todo o mundo, não apenas do varejo. 

Algumas iniciativas, como robôs domésticos, são projetos secretos e que pouco se sabe sobre. O projeto está em desenvolvimento há vários anos, mas diz-se que está nos estágios finais. 

Os drones de entrega são outro projeto da empresa, mas que já está em teste em áreas rurais do Reino Unido. Veja, neste vídeo, como funciona o processo. 

Em janeiro de 2018 a Amazon se uniu a duas grandes empresas da área da saúde, com o intuito de desenvolver uma empresa sem fins lucrativos que oferecerá a seus funcionários coletivos “assistência médica simplificada, de alta qualidade e transparente a um custo razoável”.

Na mesma linha, em junho de 2018, a empresa comprou a farmácia on-line PillPack, permitindo a venda de medicamentos sem prescrições em 50 estados dos EUA, algo que levaria anos para alcançar o contrário. A medida visa reduzir ainda mais os custos com saúde em toda a América.

A empresa visa, ainda, desenvolver a Alexa como um assistente de saúde que possa oferecer conselhos sobre como gerenciar doenças comuns e lembrar os pacientes a tomar seus medicamentos. 

Além disso, a Alexa também poderá descobrir se você está doente e recomendar medicamentos adequados para tomar antes de fazer o pedido para você no Amazon PillPack.

Toda sua jornada e seus projetos fazem com que a Amazon seja uma empresa diferente de todas as outras que surgiram antes dela. 

Podemos enxergá-la não como um varejista, mas como uma empresa de tecnologia e dados, que por um acaso, vende produtos. Tudo sempre planejado na tentativa de desenvolver soluções que atendam um consumidor que tenha cada vez menos tempo para tarefas como arrumar casa e fazer compras em 5 lojas diferentes. 

Se tiver gostado deste artigo, compartilhe nas redes sociais e ajude outras pessoas a se informarem também!

Se tem dúvidas ou sugestões, nos envie pelo Fórum Infovarejo!

Publicidade